sábado, 23 de fevereiro de 2013

Se saltas, eu salto…

Um poema lindíssimo escrito pela professora Paula Loureiro, docente do agrupamento a exercer funções na ACO.

Parabéns!


Se saltas, eu salto…

Que fazes tu à beirinha deste rochedo?
Que choro é esse, porque estás aqui assim?!
Volta pra trás, isso é loucura, tens que ter medo!
Eu dou-te a mão, agarra-a bem, olha para mim…

Vais desistir de ti, de mim, da tua vida?
Do bom, do mau, do prémio e do castigo?
Eu estou aqui, mesmo ao teu lado, sempre aqui estive…
Mas, se tu saltas eu vou também, salto contigo!

Morrer de amor, de mágoa ou de solidão,
Morrer de raiva, de saudade ou de exaustão…
Será coragem, se tu saltares, ou cobardia?!
Também eu dei, a Deus, a mesma explicação…

Sou o teu anjo e vim do céu para te salvar
Na última esperança de no teu peito eu poder viver.
Serei um fantasma amaldiçoado por essas falésias,
Ensombrando amantes que tenham aquilo que não pude ter.

(…)
Crê no destino que nos juntou há já tanto tempo,
Baralha as cartas, joga de novo, com o coração!
Deixa que a luz do dia te aqueça, no seu abraço
Esquece a amargura, o frio da noite e a escuridão.
(…)
Se cantas eu canto, se dormes eu sonho, se acordas desperto.
Se choras eu choro, se morres eu morro, não há solução.
A morte é o fim. Posso garantir. Nada mais existe.
Imploro-te: fica. Se viveres eu vivo… no teu coração.

Paula Loureiro
Jan 2013