quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Maratona de Cartas 2015

A Amnistia Internacional Portugal marcou o início do grande evento anual da organização de direitos humanos que mobiliza milhões de ativistas pelo mundo inteiro.

A campanha anual da Maratona de Cartas é um dos maiores eventos mundiais de ativismo: pessoas que ajudam outras pessoas, onde quer que estas sejam; milhões que se juntam na tentativa de alcançar justiça para homens, mulheres e crianças no mundo inteiro. Todos os anos, desde 2009, e ao longo de várias semanas, a Maratona de Cartas mobiliza os ativistas a agirem em defesa de indivíduos e grupos em risco de sofrerem violações de direitos humanos.


Rafael Marques, jornalista e defensor dos direitos humanos em Angola, condenado injustamente por ter escrito um livro em que expõe graves violações de direitos humanos naquele país. O seu julgamento, politicamente motivado e violador do direito de liberdade de expressão, está em fase de recurso e a Amnistia Internacional insta as autoridades angolanas a respeitarem todas as garantias de julgamento justo e a retirarem as acusações contra o jornalista.

Raparigas e adolescentes no Burkina Faso são forçadas a casar precocemente e, assim, limitadas nas suas escolhas de vida e no exercício dos seus direitos sexuais e reprodutivos. Uma em cada três raparigas neste país é obrigada a casar antes de ter 18 anos, algumas até com apenas 11 anos – e de todas é esperado que tenham filhos muito cedo. A Amnistia Internacional exorta as autoridades do Burkina Faso a pararem de ignorar esta situação, proibida pela Constituição do país assim como pela lei internacional, e a porem fim as casamentos forçados e precoces.

Costas, grego e homossexual, e o seu companheiro, foram violentamente espancados duas vezes, em Atenas, devido às suas escolhas de orientação sexual. A Grécia continua a não tomar as medidas necessárias para estancar o aumento de violência motivada pelo ódio no país e trata os casais do mesmo sexo como cidadãos de segunda classe, não cumprindo as obrigações internacionais de proteção dos direitos da comunidade comunidade lésbica, gay, bissexual, transgénero e intersexual (LGBTI). A Amnistia Internacional urge as autoridades gregas a investigarem exaustivamente os crimes de ódio e a assegurarem que Costas e o companheiro recebem a compensação a que têm direito.

Yecenia Armenta foi condenada no México com base numa “confissão” extraída sob tortura brutal: suspensa pelos tornozelos de pernas para o ar, sufocada e espancada e violada. Está presa há três anos por um crime que assevera não ter cometido e as denúncias de tortura que fez continuam por ser investigadas pelas autoridades. A Amnistia Internacional defende que as autoridades mexicanas têm de retirar todas as acusações contra Yecenia Armenta, libertá-la imediata e incondicionalmente e responsabilizar judicialmente os seus torturadores.

Sem comentários: