terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Até já

O até:
Logo, amanhã ou para o ano
É penoso pela preguiça do tempo
E denso de uma doce tristeza
O até já
Fugaz como o “ daqui a nada”
Fica retido no momento
Suspenso nesta saudade
À espera
Da chegada do teu sorriso


Gilo

Sem comentários: